Vou trancar a minha rua

21 de outubro de 2016 - 6a.feira, A deusa da minha rua, Daniela Lusa

Meus olhos refletidos

No espelho da mágoa

Se enchem d’água

E em desconsolo

Desando a chorar.

Onde estão seus olhos

Quando não os vejo aqui?

Em que espelho se refletem,

Que outros olhos penetram,

Você chora por mim?

Meus olhos são poças d’água

E os seus, um céu limpo sem fim.

Não quero mais ver

A rua da sua casa

Por onde passa o meu sofrer.

Vou trancar a minha rua

E o meu sentir

Aqui você não passa mais,

Em mim você já não mora.

Dani Lusa

Daniela Lusa

Posts Twitter

Às vezes, eu não sei o que quero. Outras vezes, eu sei o que não quero. Sempre quis ser professora por sonho, hoje sou por paixão. Da faculdade de Letras, nasceu o amor pelas palavras, pelos textos. Busco fuga nas palavras porque vivo cercada pelo silêncio, aqui dentro de mim. Escrevo para não sufocar. O problema é que, às vezes, o que sinto é intransponível em palavras.

Seja o primeiro

Seja o primeiro a iniciar uma conversa.

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML. <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*