Um quarto frio, a janela aberta, voz embriagada, olhos molhados por uma água quente e salgada que verte e escorre pelo seu rosto. Palavras se misturam com as lágrimas na tentativa de se lembrar de um amor que não foi correspondido. Mãos trêmulas, os pensamentos voam com a fumaça que sai do cigarro jogado ao chão. O vento bate com voracidade na janela, deixando entrar uma leve brisa que a leva de volta ao passado e ela vê tudo acontecer mais uma vez, por mais uma noite gelada. O que fazer quando o fato de respirar a faz lembrar de tudo? Tudo o que passou e não volta mais. Quem sabe tenha sido melhor assim.

Nessa vida, esperamos ser correspondidos por tudo o que fazemos. Mas não dessa vez. Foi como mandar uma carta a um endereço que não existe. Por mais que haja esperança, deve ser difícil se acostumar com a ideia de que ela jamais seria respondida, e que mais dias ou menos dias ela chegaria na euforia de mais uma vez se iludir. Ao abrir a caixa do correio e ver que sua carta voltou carimbada em vermelho ESSE ENDEREÇO NÃO EXISTE ela vai chorar mais uma vez e ver que o amor a faz de palhaça. Deu tudo que esperava receber. Não existe amor onde um dá e outro só recebe, o nome disso é caixa de lotérica. Ou eles coexistem, ou não existe.

Esperar demais dos outros, esperar que eles façam o mesmo por você é perda de tempo, a carta jamais vai ser respondida. Ela sabia que era amor, é uma pena que os lugares aos quais ele a levava cobriram sua visão e aquilo que ela acreditava era apenas ilusão. Uma ilusão que durou o bastante para ser tonar inesquecível. Os papeis foram trocados, ela jogou os dados e aceitou o resultado.

Milene Andreola é uma menina que me sabe me surpreender, e surpreendeu mais uma vez – como eu sabia que aconteceria. 

- Pegou as formas de papel?

- Comprei ontem, está na cozinha…

- Vai fazer isso mesmo?

- Ah, sim… você vai ver que é mais gostoso que o comprado no Extra…

- Mas dá muito trabalho…

- Mas é muito mais gostoso…

- Pegou a receita?

- Sim…

- …

- …… Leia Mais…

porque eu não sei o que é amor
eu quero amor que me dê amor em troca
eu quero amor que me prove a toda hora que ele 'é.

quero você comigo,
quero teu amor junto, justo, já.
e se tiver que partir, por favor: leve o amor embora.

eu… Leia Mais…

Nunca soube de fato se era realmente amor. Talvez tenha sido até mais que isso, mas não ouso dizer, mesmo agora, olhando pras fotos que irei deletar daqui a pouco. A memória é engraçada, porque nem sempre lembramos do jeito que realmente aconteceu, né?… Leia Mais…

Querido Diário,

26 de janeiro de 2015 - 2a.feira, Confraria de Verão

Eu queria poder dizer que hoje meu coração finalmente parou de bater, isso porque eu simplesmente não sei por quanto tempo mais eu vou conseguir suportar a felicidade dela – e eu digo isso porque eu consigo vê-lo feliz, na verdade me faz um pouco… Leia Mais…

DESAPRENDENDO A LER

Deixou um papel sobre a mesa na primeira vez que foi embora. Dizia que a culpa não era dela, mas dele. Nada que fizesse sentido para quem lia, mas que isentava quem escrevera.

Na segunda vez foi apenas um bilhete dobrado ao meio…. Leia Mais…